01 julho 2014

Resenha: Extraordinário

"Não julgue um livro menino pela capa cara."


Extraordinário conta a história de August (Auggie), um garoto com dez ano e de Nova York que nasceu com uma síndrome genética que causou nele uma deformidade facial que apesar de todas as cirurgias já feitas ainda não causou-lhe uma melhora. Desde pequeno Auggie sofre críticas devido a sua aparência, e apesar de estar já acostumado, causa nele uma certa angústia. Ele nunca frequentou a uma escola normal devido ao seu problema, mas ao chegar numa idade propícia para isso começa a estudar o quinto ano num colégio particular onde vive, na qual irá encontrar diversas dificuldades e mostrar para todos que apesar de ter uma aparência nada comum, ele é um garoto normal, que brinca, chora, sorri, como todos os outros. 





O livro foi publicado pela editora intrínseca, tem 302 páginas (de história) e folhas amareladas. Gosto muito da aparência do livro, a capa leva em consideração a aparência do garoto protagonista, que na verdade a deixa oculta, permitindo ao  leitor imaginar o rosto de Auggie. A linguagem é bem leve, tanto para adolescentes quando para crianças e você lê-lo bem rapidinho. 




Extraordinário foi um dos livros mais emocionantes que já li. A cada parte que se ler, consegue-se perceber quanto o protagonista sofre por ter um rosto deformado, porque a qualquer lugar que ele vai a sociedade o critica por ser dessa maneira, muitos tem nojo de ficar próximo a ele, muitos se assustam, e muitos sem pena alguma falam bobagens para ele. Com o livro eu pude perceber a luta de alguém como ele sofre a cada dia e de como ele, apesar da aparência, pode ser uma pessoa extraordinária, diferente de muitos que parecem ter uma aparência perfeita e por dentro alguém ruim.

"O ponto de vista de uma criança que, ciente de sua estranheza e de seu deslocamento no mundo, cria um manifesto em favor da gentileza." 




Espero que tenham gostado da resenha e de ter comovido-os a ler, tá? Grande beijo, xoxo!
Obs.: Garoto da foto - Meu irmão, João Paulo, 7 anos. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário